segunda-feira, 20 de setembro de 2010

Sóis Sentidos

Ontem te vi:
mostrei o que penso
transvestido do que faço
Me falta expressar
meu sentimento
Me ater aos teus olhos
Te dizer
o tanto que te quero

Até peço uma chance,
apesar de fugir,
passageiro do embaraço,
tropeçando
no desejo de te ter

É teu encanto,
me enumerando
tuas poéticas maravilhas
Inspirando a paixão,
Dando azul ao céu,
Rimando o Sol
com seu calor,
que se esvai
nesses versos que te erram

E, puro impulso,
acerto tudo que não quero
Rasgo ou apago o fruto
da covardia
Só ficam mesmo
o silêncio e o amor secreto