segunda-feira, 20 de setembro de 2010

Paz

Sorrio na tristeza
construo diante do apocalipse
luto pela morte
vivo a busca pelo fim
Com satisfação
a desgraça me felicita
dor e sofrimento meus amigos
Cheio de feridas perdas
escolho o pior caminho
Carregando a culpa pelas mazelas do mundo
como punição antecipada
Fatalidade antes da batalha
Nem heroísmo nem glória
Sou anticristo
cheio de raiva e alegria
Confio na transformação
À mentira o valor maior
Faço errado por opção
Baseado no instável
ao afundar busco o fundo
ao cair busco segundo tombo
Com fome abraço corridas desesperadas
Por ansieade e regojizo,
na direção degenerada plenitude