segunda-feira, 20 de setembro de 2010

A Divina Discoteca

Demônios players

Anjos vingadores
caídos de seu céu
Discos arranhados
na obra de Deus
(artista pop com sua legião de fãs)

Players tocando
a necessidade de amor
Players proclamando
impérios coletivos da dor
Players divinos
na diabólica chamada
pela volta do salvador

Demônios players
falando de historicidade
Negando a paixão de cristo
Cantarolando que Deus nos ama

Seus best songs
carregados de bebidas
de água à tequila,
vodka à suco de maçã
Ao som de pastores
mexicanos orando
Que lástima!

Demônios players
Penso sobre o amor
Escrevo linhas mortais
As divinas
As proibidas
Tento colorir figuras
com uma só cor

Como se de um ponto
viessem as origens do amor

Demônios players
Seus celibatos quebrados
são também minhas linhas

No céu e na terra
(ou debaixo dela)
é errado amar:
só pode levar ao diabólico estado
da felicidade

Demônios players
Uma canção, please
De altos e baixos com muita cor, sempre preto no branco escrevendo limpo, vozes no coração, suspiros de sonhos, rosas ardidas, gargantas roucas, melodia num desarranjo estomacal
Tudo em harmonia
Canção como a vida

Players de pimenta,
com suas artimanhas
Olhos peneiras
corrompidos por lágrimas
Pensando em Deus
e no diabo do próximo
Amando sua mãe
até a nossa
Desejando prazeres da carne
que são nossos

Sabores de puras paixões

nos pondo pra correr
tartarugas nas fugas
de nosso demônios
Demônios players
Tocando vivas músicas

Fezes aos demônios
e as suas canções gospel
Morte aos ateus
Aos irmãos de fé, amigos, entes queridos,
cartomantes, seres divinos
Todos me sigam ao fim do disco!
Ao cú do mundo

Vire a página