segunda-feira, 20 de setembro de 2010

Que nos leve a pinga dos céus

Pingos de chuva caídos no
levantar de nossos sentimentos
Inundando o mundo
na tempestade de amor
Os mesmos pingos de
granizos raivosos
Que podem te enterrar
na neve, congelar teu ódio
Pingos até de vergonha,
te trazendo resfriado
Mas ainda assim
pingos sinceros,
te acordando
depois de um porre
De uma torrente vontade
de entornar uma pinga
Por um vendaval
ou pelo abafado caso
E pingo (ou pinga) que for
o dia ainda estará nublado