segunda-feira, 20 de setembro de 2010

Ciliar

a vida
sucessão de novas mesmas experiências
torpor pedindo novas provocações
sol jardins surpreendentes mesmices
alegrando iguais únicos
átomos reciclados inovadoras possibilidades
consciências de passado ciliar
cegos de olhos originais
sem novidades teimosos inesperados
desejos egoístas descobertas,
comum normais, da natureza humana

só há independência daquilo que se pode depender
Só se pode querer não se importar com coisas materiais, quando se importa com algo que existiria
Só há aprendizado se uma experiência nos ensina
Diante da experiência não se importe em se importar, ou estaria dependente da desimportância
Não tenha receio ou medo, perder-se de si mesmo é a guerra em sí