sábado, 5 de fevereiro de 2011

Feliz

Morrer não é tão ruim
tive tudo e perdi
como meu membro
minha carne
o sangue brilha
escorre do meu sorriso insano
sem limites ou moral
sem crenças ou dor
capaz de tudo
contra eu mesmo
contra todos
venha mundo
um por um
ou todos de uma vez
vou devorar vocês
como devorei minha alma
venham encher meu vazio com seu sangue
venham conhecer a desgraça
desespero de que sou feito
Não mais me prendo as correntes
Não mais impedirei meus impetos
ou pensarei no próximo
Para cada danação
Terá meu ódio cada pessoa
Somos mediocres
Tenham medo, sou o fim e estou chegando
Só pode ser feito por quem odeia
e não se importa
Por quem ama e abre mão
Por quem corta a si mesmo por prazer
Morrer não é tão ruim
Venham ser colhidos!