domingo, 13 de fevereiro de 2011

Alísios, Ventos do mar

Sem pressa
Sem nome
Sem pátria
Brisa perfazendo desenhos na grama
Códigos desfilando
Calma me apodera
Sem certezas
Sem crenças
Sem nadas
Meus valores na superfície
Sonhos desvelados
como ondas que vão e vem
Sem impedimentos
Sem medo
Sem caminho
Um pé e outro
Levantar de poeiras
partículas dançantes me fascinando
Sem expectativas
Sem quereres
Sem vazios
Desejos puros
e verdades refletidas no espelho
Minha alma sem dona, mas serva
Sem ordens
Sem facilidades
Sem distorções
É só paixão por mim
que o vento trás
Quero abraçar o mundo
Sem fraqueza
Sem nervosismo
Sem arrependimentos
Com você