sexta-feira, 22 de maio de 2015

Notas na pele

Escrevi meio com sangue meio com mentiras / seguindo sempre entre o suicidio e a poesia fazendo da vida versos / como uma balada descontrolada onde o mundo para e me jogo na loucura / as frases saem certas de conexoes tortas / minha pele se desfaz sob mascaras onde enterrei aquilo / ouso ainda sorrir e ver ate onde posso ir / o chao marcara a distancia ate que a chuva lave minha vida e corte a corda vermelha / ou talvez so versifique na covardia da autocomiseracao / serao os vermes ou meus dentes? Mal posso esperar meu fim num sorriso pútrido e a completa historia do meu choro infantil.