segunda-feira, 17 de março de 2014

Hoje minha escolha sou eu

Enlouqueço de nuvem em nuvem
perdido no reconhecimento
Não posso mais me enganar
As mentiras doentias que me conto morrem inócuas
O redundante de tudo é eu espelhado atento e reprovador
Os encantos sorridentes inspiram sobreavisos
Os lábios fecham no impasse que me ganha vida
Oportunidades se esvaem enquanto me ganho tempo
Na incapacidade de controlar,
querendo ser arrebatado e esmagado pelo prazer,
querendo alcançar as alturas:

Preciso ser e ver ser;
Ficar no chão até o vento passar;
Chegar ao fim da ilusão;
Resgatar o eu das ondas que ondifico