sábado, 4 de agosto de 2012

Ilusão


Minha calmaria é estar junto do mar
sob ondas de melancolia
uma onda depois da outra
desejos de mais do outrora
sentindo tudo na mesma hora
Não tem mais volta
O tempo se foi junto á onda
As velas junto a costa, mas ainda sem rumo
Um vento forte sopra
As profundezas me chamam
Num salto eu já mergulho
caindo percebo quanto quero me perder, quão morto a calmaria me banhava
Isso tudo pude perceber
Mas o futuro guarda nova fúria, o antigo grito para sempre oculto
doce como o mel
encontro o futuro e assim a minha cura
Pena que me afoguei para isso


Evelin Castro e André Peixoto