sexta-feira, 28 de outubro de 2016

Na parede

Celulas jorravam do buraco na parede
Sombrios bicos outrora árticos que subiam
Assoviavam vizinhos torpes verdades
Queriam os simples nomes dos tijolos lagartos
Seguranças meridianos daquela festa
Penetrando nossas mentes como um ato de guerra
Regimes de cordas soltas sorrisos por suas notas
So queria amar deitar solidão seu abraçar de si
Tragam as pizzas, algo me fugiu.